quarta-feira, 23 de junho de 2010

China

A CHINA ANTIGA


A presença de grupos humanos na China é bastante antiga. Em 5000 a.C., em vários pontos do território chinês, já havia pessoas dedicadas à caça, à coleta, à pecuária e à agricultura. 





O povo chinês é formado por diferente grupos, dos quais o mais numeroso é o dos Han, que constituem a Imensa maioria da população. 

ÁGUA, TERRA E AREIA

Um dos primeiros núcleos chineses de povoamento se desenvolveu no vale do Rio Huang-Ho, conhecido também como Rio Amarelo. A exemplo do que ocorreu no Egito com o Nilo, o Rio Amarelo favoreceu o desenvolvimento da agricultura. Os grupos que ali viviam aproveitavam as cheias do rio para irrigar a terra e se beneficiavam de uma poeira amarela, trazida de longe pelo vento, que fertilizava. Cultivavam, então, cereais como o painço e, mais tarde, o arroz, e criavam animais como porcos, cachorros, bois e cabras.

"Poeira amarela: no vale do Rio Huang-Ho, há o solo de loess, terra fértil de coloração amarela, formada por sedimentos depositados pela ação dos ventos e das chuvas. É excelente para cultivo
"Painço: cereal originário da China. Algumas espécies são usadas na alimentação de animais e outras na alimentação humana. O painço é da mesma família do sorgo, sendo hoje muito usado no preparo de sopas, pães e cozidos."

DUAS CULTURAS, DOIS ESTILOS

Por volta de  2000 a.C., os antigos chineses já usavam a cerâmica para fazer panelas, bacias, jarros, taças, vasos e potes para guardar alimentos. Eles se tornaram conhecidos pelos estilos de suas peças de cerâmica. Dois desses estilos eram o yangshao e longshan.




TERRACOTA: argila modelada e cozida em forno
Uma funerária de terracota pintada; China, período Neolítico (c 2000a.C)
cultura Yangshao



Vaso de cerâmica: China, período Neolítico, cultura longshan.

Nessa época eles também já conheciam a seda, como se pode concluir pelos restos de casulo de bichos-da-seda desenterrados pelos arqueólogos fios com os quais teciam suas roupas.

História política 
Como resultado de uma série de  alianças e disputas, por volta de 1750 a.C., a família Shang chegou ao poder e fundou a primeira dinastia da China sobre a qual temos dados históricos.

A dinastia Shang
Durante essa dinastia, os chineses aperfeiçoaram a escrita (criada alguns milênios antes) e o trabalho com o bronze, usado em armas, vasos funerários e carros de guerra. Os shang também empreenderam uma polítca de guerras, por meio do qual ampliaram enormemente o território chinês. 

DINASTIA: Série de Soberanos ou pessoas famosas que pertencem à mesma família ou tronco familiar.


A dinastia Chou


Em uma disputa interna pelo poder, os Shang foram vencidos por uma poderosa família do oeste do país, de nome Chou, em 1122 a.C. Os chou reinaram na China por quase mil anos e, assim como a dinastia anterior, promoveram guerras de conquista. Eles faziam alianças militares com as famílias nobres do interior e obtinham delas armas e homens para lutar no exército imperial. Com o exército fortalecido, conquistavam novos territórios.
Parte das terras conquistadas era doada aos nobres, que, com isso, foram se fortalecendo e transformaram seus imensos domínios em principados independentes. Por volta de 480 a.C., a China estava dividida em sete principados que guerreavam entre si. A vitória coube ao príncipe de Chin, Huang Ti, que conquistou os outros seis e assumiu o poder dem 221 a.C.


O império Chin


Para aumentar seu poder e diminuir o dos nobres, o imperador Huang Ti obrigou os chefes dos antigos principados a se mudar para a capital e a entregar suas armas, que foram derretidas e transformadas em estátuas. Além disso, adotou um sistema único de pesos e medidas, uma única escrita e as mesmas leis para o país inteiro. Promoveu, ainda, concursos para o preenchimento de cargos públicos, bastando passar no concurso para conseguir o emprego. Até então, os empregos no governo praticamente reservados aos nobres. Por todas essas realizações, Huang Ti é considerado o fundador do Império Chinês. Seu governo impulsionou, ainda, a construção da Grande Muralha.


A dinastia Han
Enfraquecido por guerras consecutivas e revoltas internas, Huang Ti morreu em 210 a.C., gerando crise e disputa pelo poder, vencida por Liu Bang, que em 202 a.C. fundou a dinastia Han. Essa dinastia voltou a se apoiar na nobreza e em seus exércitos particulares para expandir o Império e defendê-lo dos ataques externos. 
Por volta de 138 a.C., um imperador Han, de nome Wu Ti, enviou seus homens à Ásia Central, a fim de enfrentar os hunos, povo nômade que vinha saqueando e pilhando a China. Lá chegando, seus enviados tiveram uma enorme surpresa: descobriram que havia terras e povos desconhecidos a oeste de suas fronteiras.
 A descoberta do mundo ocidental surpreendeu os chineses, pois, até então, eles julgavam que a China ficasse no centro do mundo, e a chamavam de Império do meio. Eles descobriram também que no Ocidente havia outro império gigantesco: o Romano.
  O governo chinês promoveu então intenso comércio com os romanos. Caravanas chinesas partiam do vale do Rio Amarelo, carregadas de seda, joias, artesanato de luxo, e seguim pela chamada rota da seda até o Oriente Médio; de lá, as mercadorias eram distribuídas por outros comerciantes por todo o Império Romano.



A história da China antiga vivenciou uma constante disputa de poder entre os imperadores e os nobres. Em 220, o imperador Han não conseguiu conter a pressão de grandes famílias da nobreza e o Império se dividiu em três reinos: Wei, Wu e Shu.

TÉCNICA E ECONOMIA

Na dinastia Han ocorreu também um acentuado progresso técnico. Os chineses aperfeiçoaram a produção do ferro e o uso do arado puxado por bois. Além disso, inventaram o moinho movido a água, usado para moer cereais, e o carro de mão, extremamente útil em uma época em que os caminhos eram tortuosos e estreitos. 
Com os avanços técnicos e o incentivo do governo, os chineses conseguiam produzir maiores quantidades de alimentos, de objetos de ferro e de tecidos. Com isso, o artesanato se diversificou e o comércio se expandiu, favorecido por uma rede de estradas construídas e mantidas pelo governo.

A SOCIEDADE

A antiga sociedade chinesa tinha uma hierarquia rígida: o imperador ocupava o topo da pirâmide social e os camponeses, a base. 
Os nobres possuíam as maiores e melhores terras, cultivadas por centenas e até milhares de camponeses. Muitos nobres possuíam homens armados a seu serviço, o que lhes dava enorme poder dentro e fora de seus domínios. Nas famílias nobres, o homem tinha poder sobre os filhos, sobres suas várias esposas e, ainda, julgava os conflitos


Camponês trabalhando na lavoura da China atual. Os camponeses são um grupo social marcante na história da China.

E  crimes ocorridos em suas terras. Da nobreza saíam os altos funcionários (coletores de impostos, juízes, chefes de polícia e mandarins). Com o tempo, a sociedade imperial chinesa se diversificou: aumentou o número de artesãos, comerciantes, funcionários públicos e escravos (geralmente, ex-prisioneiros de guerra).
Os camponeses constituíam a imensa maioria da população e produziam alimentos para quase toda a sociedade. Eles trabalhavam a terra dos nobres em troca de uma pequena parte da colheita e, além disso, tinham direito de cultivar um pequeno terreno para o sustento de sua família. Trabalhavam também nas grandes obras públicas (canais de irrigação, muralhas, etc.) e serviam ainda como soldados nas guerras promovidas pelo Império. Porém, quando ocorriam enchentes, guerras ou secas prolongadas, os camponeses passavam fome, o que ajuda a explicar por que explodiram violentas revoltas camponesas durante a dinastia Han.

Mandarim: funcionário pertencente ao grupo dos letrados e recrutado por concurso.

FILOSOFIA, RELIGIÃO E POLÍTICA

No caso dos antigos chineses, religião e filosofia estão relacionadas. As duas mais importantes correntes filosóficas e religiosas surgidas na China antiga são o confucionismo e o taoísmo.

Filosofia: palavra que em grego significa "amor à sabedoria". Trata-se de um estudo que pretende ampliar a compreensão do ser humano a respeito de si mesmo e da realidade.

Confucionismo

O filósofo Confúcio (551-479 a.C) valorizava, sobretudo, dois princípios: a equidade (yi) e a generosidade (yen). E também, o respeito, a harmonia, a tolerância e o culto aos antepassados. Para ele, a base de toda a sociedade está na família. A família ideal é aquela em que os jovens respeitam os mais velhos, os filhos obedecem aos pais, a esposa obedece ao marido e aos sogros. Para Confúcio, o aperfeiçoamento do indivíduo conduziria ao aprimoramento da sociedade. A família deveria cuidar dos pais, especialmente quando idosos ou doentes. 

Equidade: senso de justiça; julgamento imparcial

Taoísmo

Os fundamentos do taoísmo estão na obra do filósofo Lao-tse, cujo nome significa "Velho mestre"
De acordo com o taoísmo, o Universo é regido por duas forças opostas e complementares: yin e yang. A harmonia e o equilíbrio do Universo estariam na união dessas forças, sem o predomínio de uma sobre a outra, formando, assim, uma unidade, o tao. Veja a representação dos dois princípios



O taoísmo propunha uma vida simples, modesta e o ideal de igualdade entre as pessoas. Lao-tse dizia que a alma da pessoa que vivesse com simplicidade teria um lugar melhor no céu. Isso atraiu a imensa maioria dos trabalhadores pobres do campo e das cidades. O taoísmo tornou-se, então, a religião mais popular da China.
O yin e o yang também servem de base para a medicina tradicional chinesa, especialmente para a acupuntura.  Assim, o organismo está saudável quando suas energias estão equilibradas; quando esse equilíbrio se rompe, surgem as doenças.

O yin representaria a noite, o frio, a passividade e a feminilidade, enquanto o yang seria o dia, o calor, a atividade e a masculinidade. Cada um desses opostos possuiria um pouco do outro: o positivo, por exemplo, teria um pouco do negativo e vice-versa; o masculino, por sua vez, teria um pouco do feminino e vice-versa.


ESTÁTUAS CHINESAS






SUGESTÃO DE LIVRO, SITE E FILME

  • VASCONCELLOS, Claudia. Uma história da China. São Paulo: Nova Alexandria, 2005
  • China Antiga: Discovery channel. disponível em: www.discoverybrasil.com
  • Mulan. Direção de Barry Cook e Tony Bancroft. EUA. Walt Disney 1998 (88min). Animação situada na China imperial.





6 comentários:

Anônimo disse...

E UMA BOA COM VERSA E DOIDERA MUITO FODA

Anônimo disse...

DEICIDE E HOMAGER FOR SATAN E DOIDERA E CANNIBAL CORPSE E TEN COMO AGENTE FASER ISSO DEPOIS E DOIDERA

Anônimo disse...

e slipknot e foda tabem e doideera e o deus da gente

Anônimo disse...

eu acho esquisito tudo isso mais e muuuuuuuuuuuito louuuuuuuco .

Anônimo disse...

Eu estudo isso todo santo dia,e adoro <3

Anônimo disse...

nao achei o que eu queria

Postar um comentário